• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
    • pardal1
    • FGTS-carteira-de-trabalho
    • PROSEGUR
    • editada1
    • Santander
    • MPT lança aplicativo de celular para flagrar irregularidades trabalhistas
    • MPT processa Usina Seresta por atrasar pagamento de verbas rescisórias de trabalhadores
    • Prosegur é denunciada por conduta antissindical
    • Após acordo com MPT, Utinga Leão se compromete a pagar direitos trabalhistas de ex-empregados
    • Banco Santander é condenado pela prática de assédio moral

    MPT lança aplicativo de celular para flagrar irregularidades trabalhistas

    Denunciante poderá enviar foto, vídeo e áudio, que servirão de provas para os casos como os de trabalho infantil e escravo

    O Ministério Público do Trabalho (MPT) acaba de lançar um inovador aplicativo destinado a dispositivos móveis com o fim de fomentar a captação de flagrantes de irregularidades prejudiciais a direitos difusos e coletivos de trabalhadores. Trata-se doMPT Pardal, já disponível para a plataforma móvel Android (PlayStore). Em breve, também será lançada versão para iOS e para outros sistemas operacionais de dispositivos móveis. O envio da denúncia ao Ministério Público do Trabalho via MPT Pardal garante o sigilo do denunciante e a automática autuação de processo eletrônico de investigação no MPT em qualquer das 125 unidades do órgão no Brasil.

     Imprimir 

    MPT processa Usina Seresta por atrasar pagamento de verbas rescisórias de trabalhadores

    Ministério Público do Trabalho pediu à justiça o bloqueio dos bens dos sócios da empresa, para garantir o pagamento de R$ 463 mil; cerca de 800 empregados do corte da cana foram prejudicados

    Maceió/AL – O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Alagoas ajuizou Ação Civil Pública contra a empresa Usinas Reunidas Seresta e seus sócios, em maio deste ano, por atrasarem o pagamento de verbas rescisórias de cerca de 800 trabalhadores que exercem atividades no corte da cana. O MPT recebeu denúncia da Polícia Rodoviária Federal, depois que trabalhadores bloquearam os dois sentidos da rodovia BR-101, no município de Teotônio Vilela, no dia 29 de maio, em protesto pelo atraso nos pagamentos.

     Imprimir 

    Prosegur é denunciada por conduta antissindical

    A empresa realizava um “recadastramento” de quem era filiado ao sindicado - prática indevida por se tratar de atribuição sindical exclusiva. Após mediação realizada pelo MPT, Prosegur se comprometeu a não mais praticar tais irregularidades

    Maceió/AL – A empresa Prosegur Brasil S/A - especializada em segurança e transporte de valores - comprometeu-se, durante mediação realizada no Ministério Público do Trabalho (MPT) em Alagoas, em março deste ano, a não intervir na relação dos trabalhadores com seu sindicato laboral. A Prosegur estava distribuindo, indevidamente entre seus empregados, termos de concordância para a autorização, ou não, de descontos sindicais assistenciais e associativos.

     Imprimir 

    Após acordo com MPT, Utinga Leão se compromete a pagar direitos trabalhistas de ex-empregados

    Há aproximadamente dois meses, trabalhadores rurais demitidos sem justa causa aguardam pelo recebimento das verbas rescisórias e do FGTS

    Maceió/AL - Os Procuradores do Trabalho Cássio Araújo e Rodrigo Alencar realizaram, na última terça-feira, 09, audiência com ex-empregados e representantes da Usina Utinga Leão. Cerca de 80 trabalhadores rurais compareceram à sede do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Alagoas, onde alegaram o não recebimento das verbas rescisórias, bem como das guias para saque do Seguro Desemprego e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

     Imprimir 

    Banco Santander é condenado pela prática de assédio moral

    Justiça do Trabalho condenou o empreendimento após ação ajuizada pelo MPT em Alagoas

    Maceió/AL – Os desembargadores da 1ª turma do Tribunal Regional do Trabalho em Alagoas mantiveram parcialmente a condenação - proferida pela 9ª Vara de Trabalho em Maceió, em julho do ano passado - contra o Banco Santander pela prática de assédio moral. O Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou a Ação Civil Pública em 2012, após a comprovação de que gerentes e supervisores do banco agiam com atitudes grosseiras e ameaças perante seus subordinados.

     Imprimir 

    • banner pcdlegal
    • banner abnt
    • banner corrupcao
    • banner mptambiental
    • banner transparencia
    • banner radio
    • banner videos
    • banner podcast
    • banner trabalholegal